Dia 4: Uma linha tênue entre a queda e a ressurreição

A ciência em sua busca incessante por respostas aos mais variados dilemas, ora criando soluções, ora desconstruindo teorias que antes eram verdades absolutas, como um sonho que termina quando acordamos e por falar em sonho, faremos um adendo e entraremos de forma onírica na psicanálise para ajudar a desvendar uma passagem enigmática a que fui submetido quando encontrava-me sob o domínio de morfeu.

O apagar das luzes às 21h35 num pequeno quarto num loft em Baden-Baden na Alemanha numa noite enluarada e fria em setembro de 1968, não foram suficientes para me fazer adormecer isto porque, o ruído dos carros que transitavam incessantemente na rua movimentada, dificultavam o sono e criavam um turbilhão de pensamentos aos quais, eu não conseguia me desvencilhar.

Aos poucos com o passar do tempo, o barulho foi diminuindo e finalmente, adormeci. Até que, subitamente, já me encontrava caminhando numa senda orvalhada e íngreme, provavelmente na Floresta Negra para onde viajei, no intuito de conhecê-la e vivenciar suas misteriosas belezas seculares.

A caminhada solitária e contemplativa era interrompida vez por outra por ruídos de algum animal, ao olhar para o lado na direção do ruído, avistei uma raposa mas continuei a caminhar e, sem perceber, tropecei e caí numa fenda não muito larga mas, profunda o que dificultou um pouco a escalada de volta. Felizmente não me machuquei.

Quando estava saindo daquele umbral, notei que o céu tinha uma coloração alaranjada e lúgubre, as rochas flutuavam e não havia mais árvores, animais e quaisquer sinais de vida selvagem; demorei para perceber mas, havia passado para uma dimensão paralela onde a relatividade do tempo, ao que parece, não se aplicava naquele universo ou seja lá onde eu estava.

Curiosamente, mantive a calma e lucidez, procurando contemplar o lugar em todas as direções, uma das coisas que me ocorreram era: será que interpreto um personagem de LOST? Agora só faltava aparecer alguém escondido nas sombras!

Procurei uma referência para descobrir o Norte mas, nada ajudava. Dê repente um tremor sacudiu toda a planície e fissuras começavam a aparecer por todos os lados, exalando um odor sufocante; tentei correr o mais rápido que podia mas a magnitude dos tremores dificultava o equilíbrio então, fui arremessado contra uma duna e ali permaneci desacordado por alguns instantes.

Ao acordar, percebi uma leveza estranha do meu corpo, quando me dei conta estava de alguma forma, flutuando e continuava a flutuar cada vez mais alto até que, comecei a cair em queda livre.

Durante a queda mística, vislumbrei algumas entidades angelicais travando uma luta espiritual contra espíritos malignos; — Pensei, se irei passar desta para melhor, pelo menos aproveitei a jornada, só senti falta da câmera para poder registrar os momentos surreais.

O dia virou noite e o sol foi para o além e num piscar de olhos, acordei sem entender, é claro, o que havia acontecido, notei que estava em meu quarto novamente.

Encostei-me na cabeceira da cama e tentei mapear alguma coisa lógica de fato. Provavelmente jamais entenderei, o que eu estava fazendo ali? Quais eram os significados dos sinais e acontecimentos? Qual a ligação quase real e apocalíptica comigo?

A parte mais perturbadora dos sonhos é essa, a subjetividade inerente à interpretação individual … É, deixa prá lá … Talvez Freud explique!

Valeu Matheus de Souza pela provocação do desafio 21 dias de escrita!!!

#DesafioDoMatheus #escritacriativa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s