Dia 21: Vivamos a vida, viceja a alegria, viva a boemia!

Um dia desses eu pedirei a Deus que antes da despedida terrena, me conceda uma vez mais, a oportunidade em desfrutar dos prazeres da noite, das madrugadas sem fim, do aconchego gostoso das confidentes e que não falte a birita e o violão para alegrar os ouvidos, sempre carentes de uma boa conversa. E assim seguimos, porque a noite ainda nem começou. Afinal de contas, o Rio de Janeiro continua lindo, com seus encantos mil.

Este é o retrato pintado em aquarela, em prosa e verso, descrevendo um passeio pelo bairro mais boêmio e acalentado da cidade, minha saudosa Lapa. Eternizada em belas canções regadas sempre com muita alegria e a retórica característica das tribos que circulam entre os caminhos que levam a recantos mágicos e charmosos.

Os arcos com sua arquitetura suntuosa, é um dos cartões postais do Rio 40 graus. Uma história diferente escrita a cada noite onde a energia contagiante que emana de todos os lugares, quase uma súplica, nos convida a permanecer por lá.

Impossível não mencionar o Circo Voador, reduto da rockeiragem, inaugurado na década de 80, onde a virtuose das grandes bandas que ali desfilaram seu clássicos, transformando o cenário e colocando a audiência num transe apoteótico. Um lugar fantástico com seus eventos únicos e eternos.

Um público diferenciado, é o que se nota quando circulamos entre as mesas das biroscas, bares, pubs e botecos, passando pela sofisticação dos bares badalados onde podemos encontrar desde intelectuais e artistas a anônimos, que dão o tom eclético a atmosfera reluzente e vibrante deste lugar.

É claro que não podemos esquecer o samba, sinônimo de boemia e tradição, um ritmo contagiante e eterno, onde quer que estejamos há alguém empunhando um cavaco ou pandeiro e, basta um som começar para a galera fazer a roda e a temperatura se elevar, sambando até cansar e haja cerveja, caipira e tira gosto. Este é o clima ideal para curtir esse lugar efervescente e sedutor.

Difícil aproveitar todos os pontos pitorescos, becos e points numa única noite, é necessário fazer várias incursões ao local onde é possível descobrir algo novo, mesmo já tendo visitado os mesmos lugares. Um déjà vu envolto numa neblina insólita.

A socialização é algo surreal, os assuntos variadíssimos e extremamente inusitados, aguçam nossa percepção e ampliam nossa visão cosmopolita e comportamental. Um lugar que inspirou muitas histórias e compilou muitas composições memoráveis.

Entre uma conversa e outra percebemos uma despreocupação quase infantil, onde por alguns instantes o tempo parasse e cada mesa fosse um ecossistema diferente embora, compartilhassem a mesma essência e graça carismática que o ambiente proporciona.

Quero crer que minha companhia, elegante e recatada a qual desfruto imensurável prazer, confabulando à horas, durante esta noite agradável de lua nova, possa me sentenciar, junta a ela, a esquecer do tempo e estender nossa permanência aqui ou acolá, como se não houvesse amanhã, entregando-se ao mais puro êxtase libertino.

Afinal de contas, amanhã é outra noite, misteriosa e inconsequente, onde o intervalo do dia serve para refletirmos e rejuvenescer a alma, pois, como um bom e típico flâneur, a vida deve ser vivida intensamente com os deuses da noite como testemunha e a boemia como enigmática anfitriã das paixões e aventuras.

Valeu Matheus de Souza pela provocação do desafio 21 dias de escrita!!!
#DesafioDoMatheus #escritacriativa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s